A beleza e os mistérios das carpas coloridas do Japão

Chamado tesouro dos rios, o nishikigo é símbolo de beleza, vigor e contemplação (Mário Kodama)

Carpa

As carpas japonesas (denominadas nishikigoi) são veneradas hoje como objeto zen de contemplação e rara beleza. “…a conciliação da pausa e do movimento…” diria o antigo poeta insular. Pelo seu multicolorido resplandecente e a sua elegância nos movimentos, são conhecidas também como jóias ou tesouro dos rios e símbolos de felicidade, vitalidade e magia. Verdadeiras obras de arte, com o seu peso cotado em ouro.

A extrema capacidade e bravura da carpa de desafiar a vazão dos rios, numa feroz epopéia de acasalamento, em direção à nascente, agrega também à espécie atributos como persistência, coragem e sucesso. Diz ainda uma lenda chinesa que, quando alcança o seu destino, a carpa vira um dragão em reconhecimento ao seu esforço e perseverança. A fera mitológica, além de outros significados místicos, também representa na China a felicidade.

A tradição do koinobori (que é o estandarte de carpas coloridas confeccionados em pano) no Japão, hasteado nos lares em comemoração ao dia da criança, pede a proteção e as virtudes atribuídas às carpas para os seus filhos. A manifestação é seguida geralmente em famílias de filhos meninos, seguindo o costume dos tempos dos samurais, quando o dia 5 de maio era considerado o dia dos meninos, sendo transformado em dia das crianças (kodomo no hi) no pós-guerra.

As carpas, além da extrema beleza, são conhecidas pela sua longevidade. Estima-se que a espécime viva em média cerca de 70 anos, existindo registro de exemplares que chegaram a viver mais de 200 anos. Nunca caso famoso, que a crônica da piscicultural afirma ser comprovada, o recorde teria um nishigoi que vivieu 226 anos no Japão, medindo na ocasião 77 centímetros e 9 quilos de peso, de propriedade de um professor da Universidade de Nagoya (Aichi).

Diz a lenda também que a maior carpa encontrada media 1,53 centímetros de comprimento (mais de um metro e meio) e pesava 45 quilos. Acredita-se hoje que no Rio Takara, em Niigata, existe uma carpa que mede 4 metros e está viva há 150 anos. Entretanto, até o momento, poucos dizem ter visto, e ninguém tirou uma foto.

Origem

Da espécie Cyprinus carp, a carpa é conhecida desde a Pérsia antiga, há mais de 3 mil anos. Alguns autores citam apenas a China. Mas é no Japão que o seu cultivo ganha o perfil e o status ornamental que tem hoje, criando-se a variedade nishikigoi – um dos símbolos da tradição cultural japonesa.

O ideograma “nishiki” significa “brocado” e “êxito na vida”. Diz-se que as cores vivas nas escamas cintilantes da carpa, dá impressão que o peixe veste um fraque de bordados metálicos. Já o kanji “Goi” ou “Koi”, de origem chinesa, significa “carpa”.

Estima-se que a espécie tenha sido introduzida no arquipélago há cerca de mil anos, através da China e da Coréia. Mas somente há 180 anos, o seu cultivo ganha força, quando surgem as primeiras espécies de nishikigoi, na província japonesa de Niigata, conhecido como berço da variedade.

Conta a lenda que nesta província surgiram alguns peixes mutantes, cujo o aperfeiçoamento genético deu origem a três tipos de nishikigoi – higoi, asagi e bekko. O cultivo da variedade continuou sendo aperfeiçoado, originando na Era Taisho (1920-1926), os tipos shiro utsuri, abegoi, ki utsuri, taisho sanshoku e kohaku. A Era Showa (1926-1989) deu origem ao ginrin, ogon e o hikarimono. (Colaborou a intérprete Silvana Tsutusmi)

Fonte: http://mariokodama.wordpress.com/2007/07/02/nishikigoi-a-beleza-e-os-misterios-das-carpas-japonesas/

 

Comments are closed.